Como publicar um livro?


Ei, família Lettre!

Em nosso último post aqui no blog, falamos sobre os custos envolvidos na produção de um livro (físico ou digital).

Hoje gostaríamos de conversar sobre as diferentes possibilidades de publicação de um livro. Afinal, não é só a Lettre que pode realizar o seu sonho, não é mesmo?

Grandes editoras (ou editoras tradicionais)


Quem não gostaria de ver seu livro impresso e nas prateleiras das maiores livrarias do país? E mais: sem pagar por isso!


É isto que ocorre quando você publica por uma grande editora: ela arca com os custos da publicação e coloca seu livro na maior quantidade possível de locais para vender, afinal, a editora também tem interesse nas vendas.


Mas, como nem tudo o que reluz é ouro, há algumas pequenas desvantagens e dificuldades neste caminho.


A primeira dificuldade é conseguir que uma grande editora veja o seu trabalho, se interesse por ele e, o mais importante, decida publicá-lo.


Vencida esta etapa, entramos no campo das desvantagens: em grandes editoras você não tem uma liberdade muito grande para que seu livro saia exatamente do jeito que você imaginou. E você, autor, também tem de se submeter à agenda e processos da editora.


Mas nada que não valha a pena, não é mesmo?

Editoras independentes


Em uma editora independente, você terá mais liberdade para negociar alguns aspectos do seu livro, deixando-o mais do jeito que você tanto sonhou.


Nessas editoras, porém, você tem de pagar tudo ou boa parte da publicação. Aqui na Lettre, por exemplo, nós temos três modelos diferentes de publicação, variando o quanto o autor tem de desembolsar para ver seu livro publicado (nós explicamos melhor sobre isso aqui).


A desvantagem de uma editora independente, em relação a uma grande editora, é o alcance: dificilmente seu livro chegará às grandes livrarias, mas poderá ser vendido, por exemplo, em todos os marketplaces disponíveis na internet.

Publicação independente (ou autopublicação)


Por fim, você pode publicar o seu livro de maneira independente. Neste caso, porém, é você quem deverá correr atrás de tudo, desde os serviços necessários para a publicação (revisão, diagramação, capa), até as formas de divulgar e vender a sua obra.


A vantagem desta forma de publicação é que você terá um controle muito maior sobre o produto final, além de poder buscar por prestadores de serviços que estejam dentro do seu orçamento. E, claro, todos os lucros ficam somente para você.


Já as desvantagens deste tipo de publicação é que você nem sempre tem a opinião de alguém que conhece bem o mercado editorial, além do trabalho que dá ter de pensar em tudo solitariamente. Por fim, a grande maioria dos autores independentes publica apenas de maneira digital, já que os custos de impressão de um livro costumam ser inviáveis em um primeiro momento.


Para viabilizar uma publicação física, porém, autores e editoras independentes também têm recorrido a um método cada vez mais difundido neste meio: os financiamentos coletivos. Por meio de uma campanha online, estipula-se um valor a ser alcançado em um período determinado (geralmente um mês) e, sendo atingida esta meta, a edição física é produzida. Caso contrário, na maioria das vezes, devolve-se o valor aos apoiadores e não se produz o livro.

Onde se encaixa a Lettre no meio disso tudo?


Nós somos uma editora independente, mas se vocês analisarem as nossas formas de publicação, verão que oferecemos o método tradicional, isto é, um método semelhante ao das grandes editoras.


Este método, porém, é indicado aos autores que j