• Equipe Lettre

Entrevista com os autores da antologia "Seria Killers"

Atualizado: Out 10


E aí, família Lettre! Como vocês estão?


Amanhã começa um novo mês e, com ele, uma nova pré-venda por aqui. E, pelo visto, uma pré-venda super aguardada! Mas enquanto não chegamos ao amanhã, que tal mais um gostinho do que está por vir?


Entrevistamos alguns autores da antologia “Serial Killers: a verdadeira face do mal” e agora vamos compartilhar as respostas com vocês. Esperamos que gostem! Para que o post não ficasse extremamente extenso, optamos por “resumir” as respostas, trazendo apenas alguns trechos delas.


1- Como você teve a ideia de escrever o seu conto?

Claro que as respostas para esta pergunta foram bem variadas! Alguns autores sentiram-se interessados pela temática e inspirados ao ver o edital da antologia, como foi o caso da Daniela da Silva (Lady Jack) e do Maicon Moura (Antes que o leite acabe). Este ainda quis juntar “alguns elementos que não fazem sentido estar juntos” (palavras do autor); outros autores inspiraram-se em casos reais (ou que ao menos existem em livros do tipo), como a Milena Placido (Vende-se salgado e sabão), que se inspirou no caso da serial killer Leonarda Cianciulli e o Dias J. C. (O fantasma de Twin Hills) que se inspirou em diversas histórias e também nos textos de Stephen King. Já o Crísthophem Nóbrega (Marta) inspirou-se no próprio nome da personagem: “eu tenho ‘cisma’ com algumas palavras, às vezes acho a sonoridade interessante e vou atrás pra ver significado, origem, etc”.


2- O que você achou mais difícil ao escrevê-lo?

Para o Maicon Moura (Antes que o leite acabe), foi difícil criar a personalidade de seu protagonista. E a resposta dada por Davi Busquet (O sangue) também vai nessa mesma linha. Já para o autor Dias J. C. (O fantasma de Twin Hills) a parte mais complicada foi pensar em uma história que fugisse do padrão e que chamasse a atenção da organizadora da antologia e da Editora. A nossa atenção ele conseguiu chamar, agora falta ver como serão as reações dos leitores!


3- Como você se sentiu ao concluir o conto?

Para essa pergunta, precisamos destacar a resposta da Milena Placido (Vende-se salgado e sabão), para que vocês não fiquem com uma imagem ruim de nossos autores… “Quando escrevi o conto, meu namorado estava sentado ao meu lado. Lembro que virei pra ele e falei que tinha acabado de escrever a pior coisa que já escrevi na minha vida e foi esse o sentimento. Quando digo pior, não estou falando de qualidade, mas sim sobre o quão cruel foi o que concebi. Todos os meus personagens não são boas pessoas, no entanto a personagem desse conto ganha no quesito ser um péssimo ser humano. Ela não tem escrúpulos e sente prazer pelo que faz”. Claro que, para além disso, os autores também afirmaram que se sentiram satisfeitos ao terminar o conto e que ficaram felizes em passar pela nossa seleção.


4- Depois de ver seu conto revisado, você pensou “puts, eu mudaria isso nele”?

A Daniela da Silva (Lady Jack) e a Milena Placido (Vende-se salgado e sabão) foram categóricas em dizer que não, que sentiram-se satisfeitas com o conto escrito. O Dias J. C. (O fantasma de Twin Hills), apesar de reconhecer que sempre há o que melhorar, também sentiu que sua história ficou bem redondinha. E o Davi Busquet (O sangue) não mencionou algo que mudaria, mas agradeceu a revisão, que captou um elemento que não estava bom, permitindo que ele ajustasse esse ponto em seu conto antes da publicação.


5- Como você definiria seus sentimentos e emoções com relação ao lançamento da antologia?

Digamos que a palavra “ansiedade” apareceu eu todas as respostas… Mas agora falta pouco, pessoal, a antologia está no mundo! Porém, o Davi Busquet (O sangue) usou essa palavra para dizer que não é uma pessoa ansiosa e que nem esse lançamento o deixa assim, mesmo com o alto nível do trabalho realizado na antologia. Ficamos aliviadas de não ser motivo de ansiedade de ao menos um dos autores!


6- O que você espera quando publica um conto em uma antologia?

De maneira geral, os autores esperam ter um texto publicado com a qualidade de um processo editorial, além da possibilidade de que mais leitores conheçam o seu trabalho. “Visibilidade”, “feedback” e “reconhecimento” foram palavras presentes nas respostas de Crísthophem Nóbrega (Marta), Milena Placido (Vende-se salgado e sabão) e Maicon Moura (Antes que o leite acabe). Dias J. C. (O fantasma de Twin Hills) também menciona algo interessante: a possibilidade de não apenas conhecer novos leitores, mas também outros autores.


7- O que você achou do método de trabalho da Editora Lettre?

Aqui precisamos dizer que estamos ficando mal acostumadas… Só elogios! Todos os autores mencionaram o fato de buscarmos sempre mantê-los atualizados dos processos editoriais, além da atenção que dispensamos a cada uma das etapas. A Milena Placido (Vende-se salgado e sabão) citou o fato de sentir que realmente lemos o trabalho dela e que daríamos valor a ele; a Daniela da Silva (Lady Jack) disse que é possível ver a paixão que temos pelo que fazemos (e um comentário desses nos enche de alegria!). O Dias J. C. (O fantasma de Twin Hills) e o Maicon Moura (Antes que o leite acabe) citaram, por fim, o fato de criarmos uma comunidade e incentivarmos a troca e a interação entre nossos autores. Realmente, essas são coisas que prezamos muito.


8- Quais as suas expectativas com relação aos leitores que lerão seu conto?

“Que gostem do meu trabalho e dos meus personagens”, foi a resposta da Daniela da Silva (Lady Jack). Resposta semelhante foi dada por Maicon Moura (Antes que o leite acabe) e por Milena Placiado (Vende-se salgado e sabão), que ainda espera impactar os leitores. O Crísthophem Nóbrega (Marta) também está na expectativa de que os leitores gostem de seu conto, mas, acima de tudo, espera opiniões sinceras e que entrem em contato com ele para contar o que acharam (procurem no instagram: @oscincopilares). Outra pessoa que está no aguardo das opiniões dos leitores é o Dias J. C. (O fantasma de Twin Hills). Por fim, o Davi Busquet (O sangue) espera “caras e bocas de surpresa quando, nos últimos parágrafos, descobrirem que o assassino nem de longe era quem eles achavam que seria”.


Esperamos que tenham gostado desta entrevista e que agora estejam ainda mais curiosos para saborear “Serial Killers: a verdadeira face do mal”. Em nosso instagram vocês também encontram entrevistas em vídeo com estes e outros autores, não deixem de conferir.

Assine nossa newsletter 

  • Facebook
  • Twitter
  • Pinterest
  • Instagram

QNM 19 Conjunto H, Lote 20
Ceilândia Sul - DF - CEP:72215-198

Telefone: (61) 9 8127-1602

(11) 9 9269-9597

E-mail SAC: lettresac@gmail.com

 

© 2020 by Editora Lettre 

CNPJ: 34.892.350/0001-21